Skip to content

1976, São Paulo, SP. Vive e trabalha em São Paulo, SP.

A prática de Felipe Cohen se desenvolve a partir da tensão entre as formas tradicionais e contemporâneas de dispor o objeto artístico e do estudo e resgate de problemáticas recorrentes na história da arte com intuito de reinterpretar e atualizar seus sentidos no presente. Essa tensão ocorre por meio da articulação de materiais nobres com objetos banais de uso cotidiano, criando, assim, tanto formas paradoxais que são obrigadas a conviver intimamente, quanto atualizações simbólicas de signos e gêneros clássicos em um processo dialético.

Graduado em Desenho e escultura pela Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo, SP, apresentou individuais na Galeria Millan, São Paulo, SP (2013, 2016 e 2019); na Kubikgallery, Porto, Portugal (2017); Capela do Morumbi, São Paulo, SP (2013); na Arco, Madri, Espanha (2010); no Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, SP (2006), entre outros espaços.

Entre as exposições coletivas das quais participou, destacam-se Pinacoteca: acervo, Pinacoteca de São Paulo, SP (2020); Passado/Futuro/Presente: Arte contemporânea brasileira no acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP (2019); Past/Future/Present: Contemporary Brazilian Art from the Museum of Modern Art, Phoenix Art Museum, Phoenix, EUA e Troposphere, Beijing Minsheng Art Museum, Pequim, China, ambas em 2017; Geometria Afetiva, SESC Bom Retiro, São Paulo, SP (2016); Deserto-Modelo "as above, so below", Harold St. Gallery, Londres, Reino Unido (2015); Ouro – um fio que costura a arte no Brasil, Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro e Imagine Brazil – Artists Books, Musee d’art contemporain de Lyon, França (2014) e Astrup Fearnley Museet, Oslo, Noruega (2013); 8ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre, RS (2011); Nouvelles de São Paulo, L’École Nationale Supérieure de Beaux-Arts de Paris, Paris, França (2009), entre outras.

Foi indicado ao prêmio PIPA em 2010, 2012, 2013 e 2016 e foi finalista do Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça, em 2011. Recebeu o Prêmio illy SustainArt, Feira ARCO, Madri, Espanha em 2016; o Atos Visuais - Funarte, Brasília em 2007 e o Fiat Mostra Brasil, São Paulo em 2006. Suas obras integram importantes coleções incluindo a Pinacoteca do Estado de São Paulo, SP; o Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP e o MAR – Museu de Arte do Rio de Janeiro, RJ.

Textos